COMENTÁRIOS ANÔNIMOS

Em função do grande número de spam e mensagens ofensivas,
comentários anônimos infelizmente não são mais permitidos neste blog.

A respeito das críticas quanto à credibilidade das informações em nossos
artigos, vale notar que todos possuem referências bibliográficas.
Nosso principal objetivo é abordar assuntos que carecem de fontes seguras
na internet e ajudar na pesquisa de quem busca por eles.

Desencanto

de Manuel Bandeira

Finados IX, de Renato Ribeiro
Eu faço versos como quem chora
De desalento... de desencanto...
Fecha o meu livro, se por agora
Não tens motivo nenhum de pranto.

Meu verso é sangue. Volúpia ardente...
Tristeza esparsa... remorso vão...
Dói-me nas veias. Amargo e quente,
Cai, gota a gota, do coração.

E nestes versos de angústia rouca
Assim dos lábios a vida corre,
Deixando um acre sabor na boca.

- Eu faço versos como quem morre.

Fontes
As Tormentas

2 comentários:

  1. OLA.
    GOSTEI BASTANTE DO SEU BLOG E VOU SEGUIR COM CERTEZA.
    GOSTARIA MUITO QUE ME VISITASSE E SEGUISSE:
    WWW.AMORIMORTALL.BLOGSPOT.COM
    BEIJOS

    ResponderExcluir
  2. Que poema! Devo confessar que os poemas do Bandeira que não têm rimas e abusam do verso livre (não só ignorando a métrica, o principal é que não se preocupam em nada com a extensão dos versos) me chateiam um pouco. Mas "Desencanto" é um lindo poema, realmente admirável, até fico com vontade de procurar um livro de poemas dele. Uma pena que haja tal dificuldade para se encontrar obras do gênero, nem mesmo os poetas mais famosos ganham a divulgação merecida, seus nomes são lugares-comum, seus livros são quase "mitológicos", ninguém acha! Basta procurar um simples Drummond para confirmar...

    ResponderExcluir