COMENTÁRIOS ANÔNIMOS

Em função do grande número de spam e mensagens ofensivas,
comentários anônimos infelizmente não são mais permitidos neste blog.

A respeito das críticas quanto à credibilidade das informações em nossos
artigos, vale notar que todos possuem referências bibliográficas.
Nosso principal objetivo é abordar assuntos que carecem de fontes seguras
na internet e ajudar na pesquisa de quem busca por eles.

Síndrome de Patau




Também chamada de Trissomia do 13, a Síndrome de Patau foi primeiramente descrita pelo geneticista alemão Klaus Patau através da observação de um neonato com múltiplas malformações que sobreviveu até os 13 meses de idade. Há ainda quem a denomine Síndrome de Bartholin-Patau, visto que em 1656 o dinamarquês Thomas Bartholin já havia descrito casos de crianças com malformações semelhantes.

• Trissomias



A ilustração demonstra a etapa chamada de anáfase durante a divisão meiótica. À esquerda, a separação normal; à direita, o erro gênico que origina a trissomia do cromossomo de número 13.


As trissomias são as mais comuns alterações cromossômicas encontradas, estando presentes em até 20% dos abortos espontâneos que tiveram os cariótipos analisados. Entretanto, apenas 1% dos nascidos vivos é portador de alguma trissomia - uma vez que a maioria dos conceptos morre durante a fase embrionária.

• Causas


Cariótipo: cromossomo extra presente do 13º par.
O par XX indica anomalia presente em indivíduo do sexo feminino, ao passo que XY representa o sexo masculino.

A Síndrome de Patau é uma trissomia autossômica (ou seja, está presente em ambos os sexos) originada pela não disjunção dos cromossomos durante a anáfase da meiose I, fazendo com que dois cromossomos homólogos sejam puxados para o mesmo polo da célula.
Dessa forma, a igual divisão numérica de cromossomos para os dois polos da célula fica prejudicada: haverá uma célula-filha com 24 e outra com 22 cromossomos, que, durante a meiose II, formarão os gametas. A trissomia surge da união de um gameta haploide normal (com 23 cromossomos) com aquele que sofreu o processo de não disjunção. Em 90% dos casos o cromossomo extra é de origem materna, com causa atribuída à idade avançada e consequente envelhecimento dos óvulos.

Outra causa que origina cerca de 5% dos casos de trissomia do 13 é o mosaicismo, que ocorre quando um único indivíduo apresenta dois materiais genéticos distintos em função do número de cromossomos em diferentes células do organismo. Havendo ou não cromossomos extras ou ausentes, o normal é que todas as células apresentem o mesmo número cromossômico.
Os portadores de mosaicismo, portanto, possuem as características físicas da síndrome e podem inclusive chegar à idade adulta, mas não apresentam a anomalia de forma detectável em seu cariótipo.

• Características

O fenótipo da Síndrome inclui, entre outras, crescimento intrauterino restrito e malformações diversas dos sistemas nervoso, cardiovascular e sensorial.

      - Holoprosencefalia


Malformações cranianas e/ou faciais severas associadas à incapacidade de divisão do lobo frontal do cérebro para formar os hemisférios esquerdo e direito (bilaterais).

      - Dextrocardia


Coração localizado ao lado direito do tórax.

      - Surdez


Surdez devido a malformações do órgão de Corti, que apresenta em sua superfície células sensíveis às vibrações provocadas pelos sons e as transformam em impulsos nervosos enviados ao cérebro. Além disso, as orelhas podem ser deformadas e baixamente implantadas.

      - Lábio leporino e fenda palatina


O lábio leporino é caracterizado por uma fissura labial que pode ser tanto um pequeno entalhe quanto uma fenda que separa o lábio completamente até o nariz. Na fenda palatina, a abertura pode atingir a base do nariz e o céu da boca (palato), estabelecendo uma comunicação direta entre eles e deixando exposta a importante glândula hipófise - que atua no controle funcional de diversos órgãos do corpo.

      - Coloboma da íris (Síndrome dos olhos de gato)


Orifício ou defeito da íris (parte colorida dos olhos) causado por fusão incompleta da fissura intraocular fetal. O orifício preto pode aparecer também como um entalhe de profundidade variada na borda da pupila, dando a ela um formato irregular.

      - Hipo ou hipertelorismo ocular


O hipotelorismo ocular consiste na proximidade anormal entre olhos, enquanto o hipertelorismo é a distância excessiva em seu posicionamento na face.

      - Microftalmia ou anoftalmia


Globo ocular anormalmente pequeno ou ausente.

      - Ciclopia


Desenvolvimento de um único olho próximo à região normalmente ocupada pelo nariz.

      - Ulcerações no couro cabeludo


Falhas circunscritas no couro cabeludo.

      - Prega simiesca


Prega de flexão palmar única, que ocorre através da fusão de duas linhas horizontais.

      - Polidactilia


Anomalia caracterizada pela presença de mais do que cinco dedos nas mãos ou nos pés. Na maioria dos casos, o dedo extra é uma ramificação do quarto ou quinto dedo.

      - Plantas dos pés arqueadas


Malformação também conhecida como pés de cadeira de balanço.

      - Criptorquidia


Condição na qual não houve uma correta descida dos testículos da cavidade abdominal (onde se desenvolvem durante a vida intrauterina) para a bolsa escrotal.

      - Útero bicorne


Malformação uterina caracterizada pela divisão parcial ou completa do útero em dois.

• Diagnóstico e Tratamento

O diagnóstico pré-natal pode ser realizado através do ultrassom, o qual permite identificar características como a polidactilia, a holoprosencefalia, a fenda palatina e o hipotelorismo. Existem também métodos invasivos como a amniocentese (retirada de amostra do líquido amniótico para análise) e a punção de vilosidades coriônicas (que envolvem a bolsa e ao redor de onde ocorre a troca do sangue materno com o fetal).

Não existem quaisquer tratamentos viáveis para a Síndrome. Ainda assim, intervenções cirúrgicas diversas podem melhorar ou curar algumas das anomalias características.

• Sobrevida

A incidência da Síndrome de Patau entre os nascidos vivos é de 1 para cerca de 168 sextilhões, visto que apenas 2,5% dos portadores chegam a nascer.

A maior sobrevida já registrada pela literatura em casos de trissomia livre do 13 (ou seja, completa) é de 10 anos. Mais de 80% dos nascidos vivos morrem durante o primeiro mês de vida, e apenas 5% chegam a completar um ano de idade.

Fontes
Estudo genético-clínico de 20 pacientes com trissomia do 13 - Revista Pediatria (São Paulo)
Genética e Evolução: Síndrome de Patau - UFCSPA

4 comentários:

  1. Tudo o que eu precisava! Muito bom e completo!

    ResponderExcluir
  2. salvou meu dia, parabéns pelo trabalho. excelente!

    ResponderExcluir
  3. amigos quarta feira aminha filha nacsel com mal formaçao na cabeça ela respira com ajuda de aparelhos...isso e muito triste..mesmo..

    ResponderExcluir
  4. Cuidado com as vacinas e comidas transgênicas.

    ResponderExcluir